Q&A M&A: o que você quer saber sobre fusões e aquisições?

7 minutos para ler

Processos M&A estão cada vez mais comuns atualmente. Essa forma de transação representa uma solução para empresas em busca de alguns objetivos, como expansão. Contudo, esse tipo de operação ainda requer um conhecimento aprofundado para que seja viável garantir segurança e precisão em todas as etapas. Por isso, é interessante acompanhar um Q&A de M&A.

As fusões e aquisições são processos que dependem de muito mais do que alinhamento entre as organizações. Para assegurar que haja proteção e eficácia, é fundamental atentar para a organização das fases e entender realmente quais as motivações por trás de cada decisão.

Por isso, se quiser solucionar suas dúvidas e saber como obter bons resultados com esse tipo de transação, acompanhe.

O que é M&A?

Vamos começar com a definição de o que é M&A. M&A é uma sigla para “mergers and acquisitions”, o que é em português significa “fusões e aquisições”. Portanto, trata desses dois comuns tipos de transação entre empresas. Esses processos são sempre motivados por questões estratégicas, de modo a obter melhores resultados.

Pode ser necessidade por expansão dos negócios e melhoria de números que já estão bons ou, até mesmo, recuperar uma organização que já está prestes a falir, entrada em novos mercados, aumento de receita, diminuição de riscos, diminuição da força da concorrência, acesso a novas tecnologias, expansão da diversidade de portfólio, aumento da base de clientes, entre outros.

Para avançar no assunto, temos que dividir os assuntos e estudá-los detalhadamente: o que é uma fusão e o que é uma aquisição. Assim, é possível entender a diferença entre os termos. 

Uma fusão é um processo de combinação de duas ou mais entidades, de forma a gerar um novo negócio. Geralmente, as duas empresas isoladas deixam de existir e unem suas forças para o novo projeto. As fusões se subdividem em:

  • horizontal: empresas do mesmo setor se unem;
  • vertical: se unem empresas que vendem itens complementares;
  • conglomerado: entre empresas de setores totalmente diferentes;
  • de extensão de mercado: mesmo setor e mercados diferentes;
  • de extensão de produto: empresas que trabalham no mesmo nicho de mercado.

Do outro lado, temos a aquisição. Diferentemente da fusão, ela envolve a incorporação de uma entidade por outra. Ou seja, uma empresa é comprada por uma organização maior, sendo que a adquirida deixa de existir em alguns casos. 

Quando a empresa comprada continua operando com o mesmo nome, há objetivo de venda posterior. O importante é que há uma submissão de uma organização a outra, ou seja, a adquirida passa a ser gerenciada pela liderança da adquirente.

Como funciona?

Para que o processo comece e siga, deve haver um acordo forte entre as partes. Inicialmente, pode existir um teaser de algum dos interessados para gerar convencimento e influenciar a decisão e o acordo. É fundamental preparar a empresa antes de uma operação como essa, pois as mudanças serão profundas, a nível cultural e organizacional.

A transação envolve, inclusive, um acordo de confidencialidade, para garantir que vai haver proteção das informações particulares de cada uma das entidades. 

Na estrutura de funcionamento de uma operação M&A, existe um termo fundamental chamado de valuation. Trata-se de uma análise aprofundada de questões e âmbitos relevantes acerca da empresa-alvo. No caso da aquisição, é conduzido unicamente pela adquirente. Já na fusão, ambas devem desenvolver esse interesse.

O valuation é crucial porque ele vai ajudar a definir o valor da negociação e projetar o valor das ações no futuro. Assim, ele passa por uma análise de riscos principalmente, bem como um diagnóstico das condições das entidades, de modo a tornar claro os possíveis resultados. 

Um bom método de análise de valor precisa de segurança de dados e de integração de informações-chave. Nesse sentido, é fundamental ter como base o uso de ferramentas de software que podem auxiliar nessa questão. 

Quais são as etapas principais do M&A?

A seguir, vamos entender as principais fases de uma transação M&A.

Preparação

A preparação compreende os aspectos do planejamento, antes da operação começar. Envolve a definição de metas e abordagens, como já falamos, bem como a decisão sobre as ferramentas que serão usadas. Pode incluir também questões como cronograma e organização da rotina de atividades.

Due Diligence

Essa é, definitivamente, uma das partes mais importantes do processo. O Due Dilligence envolve análise de aspectos financeiros, jurídicos e fiscais, de modo a obter um diagnóstico das empresas e gerar transparência.

Analisa-se questões como compliance, fatores trabalhistas, riscos e oportunidades, bem acordos internos e parcerias externas para chegar uma decisão mais sólida e fundamentada.

Nesse método, é comum realizar projeções para o futuro, o que pode ser feito com apoio de ferramentas tecnológicas também. Com essas estimativas, os decisores são capazes de entender se a transação será vantajosa ou não. Contar com boa integração de dados e segurança ajuda a agilizar essa fase.

Reorganização societária

Então, é fundamental definir a nova organização societária, com divisão das participações dos acionistas e questões relacionadas. Os stakeholders devem ser reorganizados, bem como gerenciados, de modo que os interesses deles sejam garantidos com o processo.

Organização de contratos

Em seguida, o ideal é estruturar contratos para formalizar os direitos e deveres de todos no processo M&A. Devem ser definidos e documentados fatores relacionados com dívidas, propriedades intelectuais, aspectos trabalhistas, bem como possibilidades de crescimento e estratégias para o futuro. 

Fechamento

O fechamento é o momento de decidir e finalmente dar o último passo rumo à fusão ou aquisição. Envolve a conclusão das análises anteriores.

Pós-closing

Nesse momento, é preciso começar a estruturar o novo momento seja da empresa-resultado da fusão ou da nova organização adquirente. É a etapa necessária a fim de desenvolver os objetivos futuros e trabalhar na nova cultura organizacional. Também inclui escolher responsáveis pela integração entre os valores diferentes das entidades participantes.

Esse Q&A sobre M&A teve como propósito explorar as principais ideias sobre o assunto para ajudar os profissionais que lidam com isso e as empresas. É importante atentar para as fases fundamentais e para o planejamento, de forma a obter sucesso com esse processo. A segurança de dados em todas as etapas é um ponto que não deve ser negligenciado também.

Uma vez que as respostas surgem, é possível então entender como essa operação pode ser vantajosa para as empresas e pode ajudar na conquista dos objetivos mencionados no primeiro tópico.

Gostou do assunto? Assine a nossa newsletter e confira mais conteúdos como este. 

deallink.com.br

Posts relacionados