Será que a pandemia do Coronavírus pode aumentar o M&A nas indústrias farmacêutica e biotecnológica

6 minutos para ler

A pandemia do Coronavírus trouxe mudanças nunca antes vistas no mundo. Ela impactou negativamente a vida das pessoas e, no que diz respeito ao aspecto econômico, as projeções globais não são animadoras, visto que há expectativa de recessão.

No entanto, é preciso ficar atento ao processo de M&A nas indústrias farmacêutica e biotecnológica neste momento. Os holofotes estão virados para esse setor, que é fundamental para que superemos a atual crise de saúde mundial. Neste post, vamos abordar a possibilidade de aumento dessas operações nesse setor. Confira!

A pandemia do coronavírus e as mudanças no mundo dos negócios 

O desenvolvimento do COVID-19 ao redor do mundo levou os mercados globais a uma queda vertiginosa. As economias locais sofrem com o fechamento de indústrias, comércio de produtos e serviços, escolas e universidades. O distanciamento físico e as restrições são medidas necessárias para o combate ao vírus. No entanto, trazem consequências diversas ao mundo dos negócios de todos os setores. 

Os gastos do mercado consumidor são menores. O cidadão perde seu poder de compra diante das dificuldades financeiras provocadas pela diminuição nos salários e desemprego. Os setores de turismo e comércio não essencial sofrem um grande baque, enquanto o segmento de saúde teve valorização relevante. 

Em resumo, em um cenário de incertezas, a redução da atividade econômica global é iminente. Como consequência, empresas sofrerão problemas com fluxo de caixa e capital de giro, podendo inclusive se tornar insolventes. Investimentos de curto prazo são prejudicados, assim como planejamentos de longo prazo. 

O coronavírus e o aumento do M&A nas indústrias farmacêutica e biotecnológica

Neste momento de incerteza, as operações de fusões e aquisições tendem a cair diante de um mercado financeiro afetado. Há uma previsão de que esses processos sejam retomados em um período posterior na crise. No entanto, mesmo durante a turbulência, pode-se esperar operações de oportunidade. 

É o caso de M&A nas indústrias farmacêutica e biotecnológica, que podem aparecer em breve. O chamado segmento de Healthcare já vem apresentando uma alta nos últimos anos, com um amplo grupo de empresas que inclui subssetores como biotecnologia, produtos farmacêuticos, serviços e dispositivos médicos e similares.

Porém, ele não foi impulsionado apenas por atividades robustas em áreas como terapia genética, oncologia e produtos farmacêuticos, mas também por megafusões entre vários gigantes da biofarma.

Em plena pandemia, a atuação dos governos em busca de vacinas provocou uma corrida entre as maiores empresas do setor. Gilead, GSK, Sanofi, Takeda e várias outras procuram a cura para o coronavírus. Há grande estímulo aos investimentos na área da saúde, o que é mais um motivo para acreditarmos que a crise de saúde global pode aumentar o M&A nessas indústrias.

As expectativas a respeito das fusões e aquisições diante da pandemia

A oscilação do mercado financeiro interfere diretamente na capacidade e na segurança dos investidores. Por isso, apesar de existir uma expectativa de novas transações de M&A nas indústrias farmacêutica e biotecnológicas, o mesmo não se aplica a todos os setores. 

Algumas transações existentes estão sendo colocadas em espera. Muitas delas são consideradas de risco, motivo pelo qual é preciso suspender o processo para evitar prejuízos às partes envolvidas. Certos setores, como viagens e lazer, transporte e energia, petróleo e gás, foram impactados significativamente.

A curto prazo, o mercado de fusões e aquisições estará em baixa. Enquanto as principais economias do mundo não atingirem o pico da pandemia, essa situação permanecerá. Somente quando o número de novos casos de coronavírus anunciados a cada dia diminuir é que se passa a trabalhar com a projeção de crescimento dessas atividades.

Os motivos para as empresas se prepararem para esse cenário 

O momento atual de baixa para as operações de fusão e aquisição pode ser ideal para as empresas se prepararem para o futuro. No médio e longo prazo, o mercado se ajustará ao “novo normal” e as ações governamentais implementadas como socorro aos negócios pode permanecer por algum tempo.

Um ambiente de taxas de juros baixas é favorável, assim como o acesso a financiamentos e outras dinâmicas subjacentes que podem aumentar as operações. No caso de M&A nas indústrias farmacêutica e biotecnológica, a possibilidade de investimentos é atual e deve perdurar. 

Considerando o cenário atual e o futuro, os profissionais envolvidos devem estar prontos para adotar práticas que mitiguem os riscos das operações. Mesmo que atualmente haja um declínio nos acordos, o mundo em rápida mudança pode oferecer oportunidades. Empresas de private equity estão examinando o mercado em busca de oportunidades de negócios. É preciso estar preparado para começar as transações, construindo relacionamentos com contrapartes.

As formas de se preparar para as oportunidades 

Preparar-se para um M&A em uma situação de crise requer cuidados especiais. O ambiente de incerteza deve ser analisado com profundidade para que uma potencial oportunidade traga os resultados esperados. No caso de M&A nas indústrias farmacêutica e biotecnológica, a oportunidade está batendo à porta.

Para se preparar para ela, as partes devem dialogar e trocar informações a todo momento. Acordar termos e condições de negócio, impactos que a pandemia pode causar aos envolvidos e outros aspectos é fundamental. A ideia central é mitigar riscos. Para tanto, é preciso:

  • realizar o due dilligence com o uso de data room virtual, que permite o compartilhamento de dados com segurança e à distância;
  • pontuar as eventuais garantias a serem ajustadas em Contratos Preliminares ou oferecidas no contrato de M&A de forma a lidar com a volatilidade do mercado;
  • considerar a incerteza do impacto a curto e longo prazo da pandemia nas empresas a fim de realizar avaliações de preço mais condizentes com a realidade, considerando o potencial efeito negativo nas previsões de receita e ganhos;
  • negociar as cláusulas de MAC (Mudança Adversa Material), o que permitiria o encerramento de uma transação se a situação continuar a piorar materialmente.

A pandemia do coronavírus pode aumentar o M&A nas indústrias farmacêutica e biotecnológica. Há oportunidades nesta crise para o setor, que vem se valorizando há alguns anos e ganhou novos holofotes com a crise de saúde mundial. Diante disso, é preciso se preparar para potenciais transações. Uma das formas é utilizar um data room virtual para que a troca de informações seja eficaz e segura.

Quer informar um colega sobre as oportunidades para M&A nas indústrias farmacêutica e biotecnológica? Compartilhe este post em suas redes sociais!

Posts relacionados