Como funciona o contexto da abertura de capital?

9 minutos para ler

Para quem acompanha o mercado internacional, a abertura de capital de empresas emergentes é sempre um destaque. É um momento de virada para negócios que estão em busca de novos voos e se colocam como players relevantes no mercado.

Mas o que isso significa de verdade? Para que serve? E mais importante: será que a sua empresa apresenta um nível de amadurecimento suficiente para entrar na bolsa de valores?

Neste artigo, serão respondidas todas as principais dúvidas iniciais sobre o assunto e apontadas estratégias para que as organizações sigam o caminho certo. Boa leitura!

O que é abertura de capital e IPO?

Esses dois termos fazem parte da rotina de empresários, analistas financeiros e profissionais que trabalham com fusões e aquisições. Eles tratam de movimentos importantes que definem humores de mercado e o futuro das empresas e devem ser conhecidos.

Porém eles nem sempre são bem explicados, ou seja, abordados de forma direta. Uma boa definição é: a abertura de capital é o processo em que uma empresa decide vender parte da propriedade de seu negócio para qualquer pessoa ou organização que deseje fazê-lo por meio da compra de ações.

O termo mais comum para essa decisão é o IPO, sigla em inglês para Oferta Pública Inicial. Ela consiste na primeira vez em que uma sociedade oferece publicamente porcentagem na participação de lucros, distribuição de dividendos ou até no poder de decisão em estratégias — dependendo do tipo de título oferecido.

A partir desse momento, a empresa passa a ter capital aberto, ou seja, investidores estão livres para comprar e vender frações do negócio pelo preço regulado por oferta e demanda.

Por que empresas abrem seu capital?

Existem diversos motivos que podem levar gestores a decidirem pelo IPO. O mais comum deles é a injeção a curto prazo de investimento (capitalização). Ela promove um controle maior sobre os que fazem ofertas — e sem o peso da negociação direta com investidores.

Essa já foi uma atitude restrita às grandes empresas. Mas, atualmente, o sistema é dinâmico e acessível o suficiente para que pequenos e médios negócios também possam colher frutos da abertura de capital.

Buscar compreender os motivos por trás da abertura de capital pede que sejam conhecidas as muitas vantagens que esse processo traz. Porém, para ter acesso a elas, é preciso analisar também as desvantagens referentes a ele. Colocando ambos os lados sob exame, é possível definir o melhor caminho a ser seguido por uma empresa.

Quais são as vantagens desse processo?

Muitos rumos levam empresários e empreendedores ao IPO em função de seus benefícios. Abaixo, estão listadas vantagens que surgem como consequência desse movimento.

Dinheiro sem a necessidade de empréstimos

A grande vantagem da abertura de capital é a possibilidade de levantar uma grande quantidade de dinheiro sem ter que recorrer a empréstimos. Quando uma empresa encontra o timing e a forma certa de estrear na bolsa, as ações podem, inclusive, começar sua oferta em um valor maior do que seu puro preço de mercado, levando em conta o otimismo e o potencial da marca.

Divulgação

Isso se reflete em outro benefício: a divulgação. Empresas que abrem o capital ficam no holofote do mercado por alguns dias, criando não apenas awareness para a marca, mas também passando uma mensagem positiva de dinamismo e arrojo ao público.

Atenção de investidores

Após esse tempo, com a presença constante no mercado, a abertura ainda pode ser utilizada como termômetro para decisões de negócio e uma oportunidade nova de atenção de investidores a cada novo resultado financeiro.

Novos recursos financeiros

Existem diversas situações em que as empresas buscam captar recursos para si, como o pagamento de dívidas e necessidade de investimentos. Muitas vezes, também, não é possível obtê-los por meio de empréstimos e financiamentos. Isso faz com que o IPO seja uma excelente forma de ter acesso a esses recursos, diminuindo a alavancagem bancária.

Facilidade para M&A

Mergers and Acquisitions (M&A), termos que significam fusão e aquisição em inglês, podem ser muito benéficas para as empresas. Por meio do IPO, elas se tornam simples de serem realizadas. Isso permite que empresas aumentem sua autoridade de mercado, busquem por novos rumos e garantam vantagens competitivas.

Redução de risco

O IPO promove a redução de riscos financeiros em empresas por oferecer a elas uma maior liquidez, capitalização, melhor imagem de mercado e profissionalização das decisões feitas pela parte administrativa da empresa. Isso é uma grande vantagem para organizações que buscam investimentos e bons posicionamentos de mercado.

Maior possibilidade de conseguir crédito

Por meio de uma maior credibilidade obtida pelas empresas que passam pela abertura de capital, se torna mais simples conseguir crédito. Afinal, a imagem da empresa estará melhor, bem como seu giro de capital.

Propaganda indireta

Abrir espaço para investimentos de novas empresas acaba por fazer uma propaganda indireta da organização que está passando pela IPO. Esse processo a coloca na mira de novos investimentos e promove valor a ela.

Quais são as desvantagens desse processo?

É certo que também existem desvantagens no que diz respeito à abertura de capital. Alguns exemplos delas estão listados abaixo.

Valor de manutenção

Embora essa e demais desvantagens do IPO sejam contornáveis por meio de estratégia e organização, ela não pode deixar de ser citada. Afinal, de fato, o valor de manutenção de uma empresa com capital aberto se torna maior. Isso acontece uma vez que é mais caro manter uma empresa que conta com grandes investimentos.

Transparência exigida

Outro ponto é a transparência exigida na abertura de capital, que permite a concorrentes o acesso a mais informações sobre lucros, gastos e estratégias. A empresa se torna um alvo no mercado. Se isso é bom ou ruim, depende de como o corpo gestor encara essa posição.

Pressão de acionistas e investidores

Com o IPO, a pressão dos investidores será sempre uma influência externa à tomada de decisões da empresa. Eles não desejam fazer mal uso de seu dinheiro e cobrarão resultados constantemente.

Menor controle da empresa

A abertura de capital descentraliza o controle da empresa e a coloca na mão de seus muitos investidores. Isso impede que o tomador prévio de decisões — e muitas vezes criador da ideia por trás da organização a gerencie conforme desejar.

Maior exposição legal

Outra desvantagem que também deve ser levada em conta no que diz respeito à abertura de capital é a sua exposição legal, que se torna maior. Quanto mais pública e na mão de grandes investidores uma empresa se torna, maior é a quantidade de olhos que buscam confirmar sua legalidade. Os próprios acionistas tendem a fazer isso, certificando-se de que seu investimento valha à pena.

O que uma empresa precisa ter para abrir capital?

Por mais que o IPO esteja, atualmente, bem acessível para as empresas, isso não significa que ele é parte de um processo simples e garantido. Muitas empresas e organizações, inclusive, têm dificuldades de se sustentar no day after — nome dado ao dia seguinte à abertura de capital. As seguintes análises abaixo compilam o que uma empresa precisa ter para abrir capital.

Análise de impacto

Primeiro, é preciso entender se o negócio está preparado para não entrar em colapso com um impacto tão significativo. Estas são algumas perguntas que o gestor deve se fazer:

  • a empresa tem a capacidade e o drive para reformular sua gestão e se ajustar à participação de investidores externos?
  • existe estrutura pessoal, técnica e organizacional para suportar oscilações no mercado (como queda brusca no valor de ações)?
  • o negócio precisa mesmo do IPO, ou consegue a injeção de capital que precisa com outros métodos?

Se essas questões são relevantes e fazem sentido no cenário atual e para o futuro da organização, então, talvez, seja mesmo a hora de se envolver com a abertura de capital.

Mudanças importantes

Mesmo com as questões acima respondidas, é importante que a empresa se prepare para grandes mudanças. Algumas delas, inclusive, precisam ser trabalhadas bem antes de entrar na bolsa.

Reestruturações

Por menor que seja a necessidade, é preciso fazer as reestruturações necessárias em gestão do negócio para suportar uma nova natureza corporativa. Para isso, busque profissionais especializados nesse tipo de transição, para fazer parte do time ou como consultoria em um momento tão importante.

Estratégias de transparência

Busque por estratégias de transparência, que serão necessárias tanto para cumprir as determinações da bolsa quanto para fornecer os dados necessários aos investidores ao longo dos anos.

Timing

Escolha a data perfeita, quando há destaque para a sua marca e otimismo no mercado, potencializando, assim, o valor inicial dos papéis para essa primeira capitalização.

Como garantir o sucesso antes, durante e depois da abertura?

Como tudo no mercado financeiro, os riscos do IPO estão diretamente ligados à preparação e estruturação dos envolvidos. Ou seja, quanto mais dados e inteligências o profissional têm à disposição, mais fácil fica tomar as decisões certas no timing certo.

Por isso, uma empresa que já fez IPO ou pensa em se abrir precisa de integração e visão completa nas informações financeiras: as suas, dos concorrentes, do mercado. Essa é a estratégia que garantirá a eficiência e o lucro máximo em todas as etapas da abertura de capital — e tudo que vier depois.

Que tal, então, contar com esse tipo de tecnologia? Entre em contato e com a equipe do Deallink Data Room, uma plataforma completa para as necessidades de um processo como esse e saiba o que ela pode oferecer para seu futuro!

Posts relacionados